Leitura dos Atos dos Apóstolos 8,26-40 Naqueles dias:
26 Um anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo:
‘Prepara-te e vai para o sul,
no caminho que desce de Jerusalém a Gaza.
O caminho é deserto’.
Filipe levantou-se e foi.
27 Nisso apareceu um eunuco etíope,
ministro de Candace, rainha da Etiópia
e administrador geral do seu tesouro,
que tinha ido em peregrinação a Jerusalém.
28 Ele estava voltando para casa
e vinha sentado no seu carro, lendo o profeta Isaías.
29 Então o Espírito disse a Filipe:
‘Aproxima-te desse carro e acompanha-o’.
30 Filipe correu,
ouviu o eunuco ler o profeta Isaías e perguntou:
‘Tu compreendes o que estás lendo?’
31 O eunuco respondeu:
‘Como posso, se ninguém mo explica?’
Então convidou Filipe a subir e a sentar-se junto a ele.
32 A passagem da Escritura que o eunuco estava lendo
era esta: ‘Ele foi levado como ovelha ao matadouro;
e qual um cordeiro diante do seu tosquiador,
ele emudeceu e não abriu a boca.
33 Eles o humilharam e lhe negaram justiça;
e seus descendentes, quem os poderá enumerar?
Pois sua vida foi arrancada da terra’.
34 E o eunuco disse a Filipe:
‘Peço que me expliques
de quem o profeta está dizendo isso.
Ele fala de si mesmo ou se refere a algum outro?’
35 Então Filipe começou a falar
e, partindo dessa passagem da Escritura,
anunciou Jesus ao eunuco.
36 Eles prosseguiram o caminho
e chegaram a um lugar onde havia água.
Então o eunuco disse a Filipe:
‘Aqui temos água. O que impede que eu seja batizado?’
38 O eunuco mandou parar o carro.
Os dois desceram para a água
e Filipe batizou o eunuco.
39 Quando saíram da água,
o Espírito do Senhor arrebatou a Filipe.
O eunuco não o viu mais
e prosseguiu sua viagem, cheio de alegria.
40 Filipe foi parar em Azoto.
E, passando adiante, evangelizava todas as cidades
até chegar a Cesaréia.
Palavra do Senhor.

Salmo – Sl 65, 8-9. 16-17. 20 (R. 1)

R. Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira.
Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia


8 Nações, glorificai ao nosso Deus, *
anunciai em alta voz o seu louvor!
9 É ele quem dá vida à nossa vida, *
e não permite que vacilem nossos pés.  R.

16 Todos vós que a Deus temeis, vinde escutar: *
vou contar-vos todo bem que ele me fez!
17 Quando a ele o meu grito se elevou, *
já havia gratidão em minha boca!R.

20 Bendito seja o Senhor Deus que me escutou, +
não rejeitou minha oração e meu clamor, *
nem afastou longe de mim o seu amor! R.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 6,44-51 Naquele tempo, disse Jesus à multidão :
44 Ninguém pode vir a mim,
se o Pai que me enviou não o atrai.
E eu o ressuscitarei no último dia.
45 Está escrito nos Profetas:
`Todos serão discípulos de Deus.’
Ora, todo aquele que escutou o Pai e por ele foi instruído,
vem a mim.
46 Não que alguém já tenha visto o Pai.
Só aquele que vem de junto de Deus viu o Pai.
47 Em verdade, em verdade vos digo,
quem crê, possui a vida eterna.
48 Eu sou o pão da vida.
49 Os vossos pais comeram o maná no deserto
e, no entanto, morreram.
50 Eis aqui o pão que desce do céu:
quem dele comer, nunca morrerá.
51 Eu sou o pão vivo descido do céu.
Quem comer deste pão viverá eternamente.
E o pão que eu darei
é a minha carne dada para a vida do mundo’.
Palavra da Salvação.

A evangelização é, antes de mais, plano e ação de Deus. É o que nos mostra o texto da primeira leitura. Filipe recebe ordem para se pôr a caminho, em direção ao Sul. Não parece ser uma boa decisão em ordem à evangelização. Mas é no caminho para o Sul que irá encontrar um etíope predisposto a acolher a Boa Nova. Segundo a tradição, é nesse encontro que começa a evangelização da África.


Impressiona-nos a disponibilidade, o entusiasmo missionário, a capacidade de interpretar a Sagrada Escritura de Filipe. É, na verdade, um evangelizador convicto e preparado. O Espírito faz o «resto» …
O texto evangélico é denso de ensinamentos profundos. Jesus começa por afirmar: «Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou o não atrair» (v. 44). O Pai atua num duplo movimento, envia Jesus e atrai os homens para Jesus. Jesus mostra que o mais importante é a nossa relação com o Pai. Sem ela, até a nossa relação com Jesus seria superficial. Por isso, o próprio Senhor acende em nós o desejo de sermos dóceis para com Deus, de nos deixarmos instruir por Ele: «Está escrito nos profetas: E todos serão ensinados por Deus» (v. 45). Não é fácil entendermos estas palavras de Jesus. Por vezes, somos tentados a pensar que, ser dóceis a Deus, nos retira a liberdade, nos faz menos felizes. Mas a docilidade a Deus é condição para irmos a Jesus, nossa alegria, nossa felicidade: «Todo aquele que escutou o ensinamento que vem do Pai e o entendeu vem a mim» (v. 45).
O Pai, atuando, forma em nós sentimentos, que são os de Cristo. Por isso é que o encontro com Cristo se torna possível. O Pai ensina-nos a viver no abandono, na abnegação por amor e, assim, podemos compreender a paixão e a ressurreição de Jesus. Vemos na morte de Jesus uma grande obra de amor, cujo resultado, a ressurreição, é obra divina. Pela nossa docilidade à ação do Pai em nós, somos atraídos para Jesus e tornamo-nos semelhantes a Ele.


Deus, ao atrair-nos para Jesus, quer tornar-nos participantes de todos os tesouros do seu Coração: da sua bondade, da sua misericórdia, da sua alegria, do seu amor. Sejamos dóceis a Deus Pai, e ajudemo-nos uns aos outros nessa docilidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *